Memória, verdade e justiça: a Comissão da Verdade em Minas Gerais

O golpe militar de 1964, além de ter perseguido e violado direitos de centenas de militantes de movimentos sociais e estudantis, partidos políticos e sindicatos de trabalhadores nas cidades atingiu, em Minas Gerais, outros grupos sociais, como trabalhadores rurais e indígenas. O relatório final da Comissão, divulgado em dezembro de 2017, trouxe pesquisas inéditas sobre a ditadura em nosso estado. A Comissão da Verdade mineira demonstrou que, além dos agentes e órgãos públicos de diversos setores dos três poderes do Estado, outras associações, empresas e instituições privadas (do agronegócio, da mineração, dos setores da metalurgia, siderurgia, construção e automobilístico, dentre outros) atuaram em parceria com o regime ditatorial. Conhecer essa complexa rede de agentes e instituições públicos e privados que foram partícipes do regime ditatorial é um elemento importante para o desvelamento das arbitrariedades do passado com vistas à produção da verdade e da memória e para entendermos as imensas violências, injustiças e desigualdades que ainda vicejam em nosso país nos dias atuais. Profª Drª. Adriana Maria Brandão Penzim
(Professora da Faculdade de Psicologia da PUC Minas) Participantes convidados: Prof. Robson Sávio Reis Souza
(Presidente da Comissão da Verdade em Minas Gerais) Profa. Maria Céres Pimenta Spínola Castro
(Integrante da Comissão da Verdade em Minas Gerais)  
Podcast: Palestras

Organização: Curso de Psicologia da PUC Minas São Gabriel
Palestrantes:
Profª Drª. Adriana Maria Brandão Penzim, Prof. Robson Sávio Reis Souza, Profa. Maria Céres Pimenta Spínola Castro
Texto e Locução: Matheus de Miranda
Gravação: Cristina Lacerda, Matheus de Miranda
Edição: Alexandre Morato
Foto: Márcia Nonato


Comente